fbpx

Doria cogita deixar disputa ao Planalto e tentar reeleição em São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), cogita deixar a disputa ao Palácio do Planalto em 2022 e tentar reeleição em São Paulo.

Doria é um dos adversários políticos do presidente Jair Bolsonaro, que é crítico da gestão do tucano no Estado. Bolsonaro é contra as medidas de lockdown e alta de impostos em São Paulo.

A informação foi inicialmente divulgada pelo jornal Estado de S.Paulo , ao jornal, o governador disse que, diante do novo quadro da política brasileira, nada deve ser descartado. Essa é a 1ª vez que o tucano admite a possibilidade de reeleição ao Palácio dos Bandeirantes.

A declaração foi feita depois que ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, voltou a ser elegível. Doria chegou a defender uma aliança com a centro-esquerda para as eleições presidenciais de 2022. O PSDB deve fazer as prévias da disputa presidencial em outubro desse ano. As prévias para a eleição estadual em São Paulo devem ser em setembro.

Neste sábado, o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) também disse, em entrevista à Folha de S. Paulo, que o PSDB poderia abrir mão de um candidato em 2022 caso haja alguém mais competitivo nos partidos de centro.

 

 

Recentemente, Doria adotou medidas consideradas impopulares em São Paulo depois do aumento no número de casos de covid-19. O Brasil passa por momento delicado da pandemia, com registros de mais de 2.000 mortes diárias. Na última 6ª feira (12.mar.2021), São Paulo registrou 521 mortes, o maior número diário desde o início da pandemia.

EMBATES

Um dos principais embates entre Doria e Bolsonaro foi o plano para a vacinação da população contra a covid-19. Bolsonaro dizia que não ia comprar o imunizante chinês, a CoronaVac, que é produzida pelo Instituto Butantan.

Em novembro do ano passado, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) suspendeu os estudos da vacina no Brasil depois de um evento adverso grave, que depois foi identificado como uma morte não relacionada ao imunizante. Antes da retomada dos estudos, Bolsonaro disse que a suspensão era uma vitória sobre a gestão de Doria, que é defensora da vacina da China.

O presidente afirmou que menos da metade da população brasileira era favorável ao imunizante. Bolsonaro dizia antes que não iria tomar a vacina, mas, no último sábado (6.mar.2021), afirmou que poderia receber o imunizante “lá na frente”.

Na 4ª feira (10.mar.2021), Bolsonaro enalteceu a vacina da covid-19 depois de discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, por decisão monocrática do ministro Luiz Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), se tornou elegível. Posteriormente, Lula disse: “não siga nenhuma decisão imbecil do presidente da República ou do Ministério da Saúde. Tome vacina”.

Depois que Doria anunciou restrições mais severas para o período de 15 a 30 de março para conter o avanço do coronavírus em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro fez críticas ao governador em transmissão em sua página oficial nas redes sociais. Sem citar o nome do tucano, disse: “Quer votar num engomadinho, cabelinho para o lado, que vive com máscara o tempo todo, mas faz festa na casa dele, tem pancadão na casa dele de vez em quando lá”, disse o chefe do Executivo. “Vai falar fino, vai falar que está preocupado com sua vida, está o cacete, pô. Está preocupado com 22″, completou.


Acompanhe essas e outras notícias em Imaranhao.com

Siga, também o Imaranhao no Twitter, Instagram

Curta nossa página no Facebook

Inscreva-se no nosso canal no Youtube


Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: