fbpx

Saúde

Estudo aponta a dieta que pode melhorar a vida sexual dos homens; saiba qual

Dieta que limita carnes e laticínios, mas rica em frutas, vegetais, grãos e nozes, está associada a menos disfunção erétil, incontinência urinária e outros efeitos colaterais comuns observados em pacientes com câncer de próstata, mostra um novo estudo realizado por pesquisadores da pesquisadores da NYU Grossman School of Medicine e da Harvard TH Chan School of Public Health.

A análise foi feita com mais de 3.500 homens. Os cientistas dividiram os participantes em cinco grupos com base na proporção de alimentos vegetais X animais que eles consumiam. Os autores descobriram que o grupo que consumiu mais plantas teve uma pontuação de 8% a 11% melhor em medidas de função sexual em comparação com o grupo que consumiu menos.

Da mesma forma, os resultados revelaram pontuações até 14% melhores para a saúde urinária, com menos casos de incontinência, obstrução e irritação. Os autores encontraram ainda pontuações até 13% melhores em saúde hormonal (que avalia sintomas como baixa energia, depressão e ondas de calor) entre o quintil mais alto de dieta baseada em vegetais em comparação com o mais baixo.

A maioria dos pacientes (mais de 83%) recebeu tratamento para câncer de próstata e todos os incluídos no presente estudo apresentavam formas iniciais da doença que ainda não haviam se espalhado para outros órgãos.

“Nossas descobertas oferecem esperança para aqueles que procuram maneiras de melhorar sua qualidade de vida após serem submetidos a cirurgia, radiação e outras terapias comuns para câncer de próstata, que podem causar efeitos colaterais significativos”, disse a autora principal do estudo e urologista Stacy Loeb.

Ela acrescenta que, ao procurar possíveis conexões entre a dieta baseada em vegetais e a saúde, a equipe de pesquisa levou em consideração o peso, a atividade física e muitos outros fatores que poderiam afetar a qualidade de vida.

“Adicionar mais frutas e vegetais à sua dieta, ao mesmo tempo que reduz a carne e os laticínios, é um passo simples que os pacientes podem tomar”, diz.

Loeb alerta que os homens avaliados no estudo eram, em sua maioria, profissionais de saúde brancos. Como resultado, ela diz que a próxima equipe planeja expandir sua pesquisa para um grupo mais diversificado de pacientes e para aqueles com estágios mais avançados da doença.

Câncer de próstata

 

O câncer de próstata é o terceiro tumor mais comum no Brasil, depois do câncer de pele e do de mama. Em homens, é o mais prevalente. A evolução costuma ser silenciosa, mas alguns sintomas podem indicar a doença. São eles:

  • Dificuldade de urinar;
  • Demora em iniciar ou finalizar o jato urinário;
  • Diminuição do jato urinário;
  • Necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite;
  • Presença de sangue na urina

 

Afrodescendentes, histórico familiar (parentes e 1º grau com a doença) e obesidade são os principais fatores de risco para a doença. A avaliação da próstata é baseada em dois exames iniciais: o toque retal, onde o médico consegue avaliar se existe algum nódulo de consistência mais endurecida na próstata, e o exame de PSA. Esse é um exame de sangue que faz a dosagem da proteína antígeno prostático específico (PSA), que é produzida apenas pela próstata.

A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) recomenda que homens do grupo de risco façam consultas periódicos e realizem anualmente o exame de PSA, a partir dos 45 anos de idade. Para a população em geral, a recomendação é a partir dos 50 anos. ( o Globo )

Advertisements

Deixe uma resposta