Moradores de Barreirinhas protestam pedindo a retirada imediata do Lixão localizado dentro da cidade

Moradores e manifestantes de Barreirinhas há vários dias permanecem em uma manifestação em frente ao lixão da cidade, cujo há cinco dias está com sua passagem bloqueada. Os manifestantes afirmam que a manifestação não será interrompida enquanto as autoridades municipais, ou mesmo estaduais, ou federais não se manifestarem sobre o caso.

O único lixão de Barreirinhas é responsável por receber milhares e milhares de toneladas de lixo diversificado semanalmente.

Contudo, a comunidade cincundante ao lixão vem convivendo diariamente com os problemas causados pelo alto depósito de lixo, que, quando queimados, oriunda uma enorme nuvem de fumaça tóxica, poluindo todo o ar respirável e, consequentemente, contribuindo com uma alta parcela para o aquecimento global.

O lixão está localizado na Vila Esperança, logo à entrada da cidade, muito próximo ao Hospital e ao Instituto Federal do Maranhão – IFMA, território de grande densidade demográfica.
Além da fumaça, os moradores alegam ainda sobre o sério risco de contaminação que vêm correndo devido à alta contaminação do subsolo e das águas, e a proliferação de pragas como baratas, ratos, moscas e mosquitos, que são grandes portadores de bactérias e vírus que causam terríveis doenças.

Além do mais, atualmente, um dos grandes problemas surgidos no lixão e quem tem causado um mal incalculável à população é o descarregamento de forma irregular de lixo hospitalar, como o descarte de resíduos e seringas, agulhas, lençóis e frascos de remédios, porquanto, estes materiais podem se constituírem eminentes agentes transmissores de doenças infecciosas.

Entramos em contato com a direção do Hospital Regional de Barreirinhas, que em audio nos respondeu o seguinte, ouça:

Apesar de os residentes da Vila Esperança serem os principais a serem afetados diretamente, todos os bairros vizinhos, como Mundico Cosme, Vila Canaã e Cidade Nova, também sofrem com os impactos gerados pelo uso desregrado do lixão.

A principal reivindicação dos manifestantes é a retirada do lixão da localidade e que as autoridades responsáveis tenham um olhar mais compassivo da realidade enfrentada pelos moradores do local.
À vista, perante a este grande problema, há os que defendem a permanência do lixão, como é o caso de alguns dos catadores que são agregados ao Sindicatos dos catadores de Barreirinhas, que alegam que a coleta de material no lixão é a única fonte de sustento para a sobrevivência de suas famílias.

Contudo, diante desta situação, os manifestantes e moradores defendem a criação de um aterro sanitário na cidade, onde abrigue estes catadores e dê o devido suporte.
O lixão permanece no local há 20 anos, no entanto, há 9 anos atrás foi criada Lei nº 12.305 (a lei do lixo, como ficou conhecida), decretada por Lula e regulamentada no dia 23 de dezembro de 2010, onde decreta a extinção de todos os lixões do país dentro de um prazo de 4 anos. Esta lei implementa a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS, que, entre outras coisas, substitui os lixões por aterros sanitários.

A comunidade já fez um abaixo-assinado pedindo à atual gestão a remoção do lixão, mas nenhuma providência foi tomada ainda.

Algumas autoridades do legislativo, como os vereadores Fábio Rocha e Wilson Via Box também já se manifestaram acerca do problema enfrentado pelos moradores na Câmara Municipal, onde apresentaram requerimentos para a retirada do lixão, porém sem êxito.

No último sábado (24) deste mês, a Prefeitura de Barreirinhas emitiu um comunicado relatando as questões que implicam na retirada imediata do lixão. O órgão municipal ainda ressaltou a problemática resultante dos recentes protestos que vêm ocorrendo no bairro, uma vez que, com o bloqueio da entrada do lixão pelos manifestantes tem impedindo assim o ingresso transportes que fazem a coleta de lixo da cidade.

Veja o comunicado emitido:

[A Prefeitura de Barreirinhas informa que vem cumprindo rigorosamente o compromisso de manter a cidade limpa e urbanizada. O episódio isolado envolvendo a comunidade da Vila Esperança, ocupação que desde ontem, 23.08.2019, recusa-se a permitir o uso legal do lixão pelos caminhões de coleta a serviço da Prefeitura, provoca danos graves à saúde da população, à qualidade de vida dos moradores.
A barreira criada por essa comunidade interrompeu toda a rotina de coleta da Prefeitura, mantendo caminhões e equipes de trabalho paralisadas, sem condições de realizar a limpeza diária da cidade, o que compromete, inclusive, o dia a dia da cidade.
A Prefeitura de Barreirinhas já solicitou oficialmente o urgente apoio da área de Segurança Pública do Governo do Estado para que a coleta de lixo retorne à normalidade. Continuamos aguardando providências.
No final de sua gestão anterior, o prefeito Albérico Filho conseguiu recurso para a construção de um aterro sanitário em outra área, mais ampla e isolada, haja vista a expansão urbana e o crescimento populacional de Barreirinhas. O projeto, porém, para ser executado atualmente, necessita de recursos complementares do governo federal. O prefeito tem empenhado esforços para que isso seja aprovado o mais breve possível. 
A Prefeitura de Barreirinhas reafirma o compromisso de zelar por uma cidade limpa, com planejamento e ordem.
Barreirinhas, 24 de agosto de 2019]

Em quanto isso, a cidade de Barreirinhas (Portal de entrada para os Lençóis maranhenses) está vivendo um verdadeiro caos em relação à limpeza pública. As ruas estão repletas de lixo. A população sofre com esta terrível consequência que parece insolúvel até o presente momento.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: