Prato feito fica 20% mais caro com influência do auxílio emergencial e alta do dólar

Sinônimo de rapidez e economia, o prato feito está pesando mais no bolso do brasileiro por causa da inflação. Pressionada pela disparada de itens da cesta básica nas últimas semanas, a tradicional mistura de arroz, feijão, salada e carne aumentou 20% em agosto de 2020, na comparação o mesmo mês do ano passado, aponta pesquisa feita pela consultoria GfK. A alta é impulsionada principalmente pelo encarecimento do arroz, feijão e proteína animal nas gôndolas dos supermercados, reflexo do aumento da venda desses produtos no mercado internacional, o crescimento da demanda interna pressionada pelo auxílio emergencial e a alta do dólar. A inflação sobre alimentos e bebidas acumulou alta de 0,78% em agosto, segundo dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgados nesta quarta-feira, 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Arroz, leite longa vida e óleo de soja acumulam alta de aproximadamente 20% desde o início do ano, enquanto carne e frango somam crescimento de quase 7%.

 

O estudo da GfK foi feito em 305 estabelecimentos comerciais de todo o Brasil, considerando a variação quinzenal de 35 itens que compõem a cesta básica. “Percebemos que desde o início da pandemia o preço desses itens está subindo de uma forma consistente. Essa alta pode ser explicada principalmente pela alta do dólar, que torna o mercado internacional mais competitivo do que o doméstico. Também é preciso levar em consideração que a China está criando um estoque desses itens, o que deixa o mercado interno ainda mais desbalanceado em comparação com o internacional”, explica Fernando Baialuna, diretor da GfK.

 

O levantamento da consultoria mostra que o preço do prato feito saltou de R$ 6,87 em janeiro para R$ 7,13 em agosto, alta de 3,8%. Em comparação, no mesmo período de 2019, a redução foi de 3,1%, passando de R$ 6,13 no primeiro mês do ano para R$ 5,94 em agosto. O feijão foi o item com maior variação, aumentando 52% entre agosto de 2019 com o deste ano, seguida pelo arroz, com alta de 36%. Além do câmbio e da balança comercial, o auxílio emergencial também teve impacto direto no encarecimento dos produtos. O benefício de R$ 600 aumentou o poder de consumo das famílias mais vulneráveis, criando o movimento de maior demanda e encarecimento da oferta. “Não por acaso, as regiões norte, nordeste e centro-oeste foram as com maior variação no valor do prato feito, justamente as mesmas regiões que mais tiveram beneficiados pelo auxílio-emergencial”, diz Baialuna.

 

Acompanhe essas e outras notícias em Imaranhao.com. Siga, também o Imaranhao no TwitterInstagram e curta nossa página no Facebookse inscreva no nosso canal no Youtube. Entre em contato com nossa redação pelo WhatsApp ou ligue (98) 98400-0977

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: