fbpx

Giro

Sogro diz que carro incendiado foi “mimo” para “genro do beijo grego”

O homem de 45 anos que ateou fogo em um carro e foi linchado em Araraquara, no interior de São Paulo, no último domingo (19/11), Edielson Oliveira, disse à polícia que o veículo foi um presente que ele deu ao genro, identificado como “Juninho Virgílio”, de 22 anos.

Os personagens ganharam notoriedade nessa quarta-feira (22/11) após Camila Oliveira, filha de Edielson e esposa de Juninho, revelar nas redes sociais que seu pai e seu genro tinham um caso. Ela fez a descoberta ao acessar o celular de Edielson e se deparar com conversas com Juninho e vídeos em que os dois fazem sexo em um motel.

Após a repercussão do caso, Edielson teria ido até a casa da filha e ateado fogo no carro de Juninho. Vídeos que circulam pelas redes sociais mostram ele gritando sobre o caso com o genro no meio da rua e jogando garrafas nos muros das casas. Irritados, moradores que assistiam à cena derrubaram ele no chão e começaram a agredi-lo.

Edielson Oliveira registrou um boletim de ocorrência sobre o episódio na Delegacia Seccional de Araraquara. No documento, o homem de 45 anos não detalha em que momento o carro incendiado, um Chevrolet Vectra, teria sido dado como presente para Juninho e Camila. No BO, o veículo consta como propriedade de outra pessoa.

À polícia, Edielson ainda admitiu ter jogado garrafas na direção de Juninho e do irmão dele, que não foi identificado. Uma testemunha disse ter sido atingida por estilhaços e que ficou ferida na perna.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), o caso foi registrado como dano e lesão corporal. Foi solicitada perícia ao local e os envolvidos notificados a comparecerem na unidade policial.

Após o linchamento, Edielson foi socorrido à UPA do bairro Vale Verde, onde ficou internado.

Advertisements

Deixe uma resposta